15.9.10

Dez negrinhos

          Dez negrinhos vão jantar enquanto não chove;
          Um deles se engasgou e então ficaram nove.
          -Agatha Christie


Eu tinha, sei lá, uns dez anos e, depois do almoço, peguei um livro antigo do meu pai, daqueles amarelados e com as páginas meio caindo. Eu tinha certo preconceito com aqueles livros porque eram amarelados e tinham páginas caindo, mas estava cansado dos meus de sempre –Gulliver, Sinbad, Mogli– e resolvi arriscar. A capa era feia. Chamava-se O caso dos dez negrinhos. Comecei a ler, como quem não quer nada.
     Eletrizante, essa é a palavra: eletrizante.
     Uma mansão numa ilha. Dez pessoas estranhas. Assassinato. Sobram, então, nove pessoas. Depois, oito e sete e seis.
     Era época de aula de manhã e nada para fazer à tarde –a lição de casa eu copiava, rapidinho antes de entrar na sala, de uma menina apaixonada por mim, que eu com dez anos era meio cafajeste, depois tomei jeito–, então pude me dar a um luxo que hoje em dia é raro: li tudo de uma sentada só. O dia já estava escurecendo quando fui chegando ao final do mistério, fervendo a cabeça com um monte de soluções e vislumbrando uma promissora carreira de detetive particular.
     Cinco pessoas. Quatro. Três.
     Mas eis que. Eis que.
     Quando virei uma página, dei com um trecho que, ué, pareceu meio familiar. Virei mais a próxima e mais outra: já tinha lido. Então notei que o livro tinha um defeito: trocaram na gráfica os últimos cadernos de impressão. Então, ao invés das últimas páginas, eu tinha umas repetidas da metade. Necas de final.
     Como o bendito devia ter sido comprado há uns vinte anos, era tarde demais para ir à livraria e pedir para trocar. Quando meu pai chegou em casa, corri para perguntar e ele me respondeu só uma risada divertida. Também não sabia o final.
     Até hoje não sei quem é o assassino. Ficou esse trauma na minha vida de leitor.
     E enquanto eu escrevia isso me veio à cabeça a ideia de guardar o livro para pregar a mesma peça no meu filho.

* * *
120° aniversário da Dama do Suspense, minha singela homenagem.

18 comentários:

Thais Allana disse...

eu tenho esse livro e muitos outros da Agatha e por sorte todos os meus vieram perfeitos e não é querendo me gabar mas já me gabando eu sei o final... rs


beijinhos

Enzo disse...

Oi Palma, ou Elfo, sei lá.. vai Palma mesmo...
Tenho frequentado seu blog nas últimas semanas e esse é o meu primeiro agradecimento pelo entretenimento gratuito.
Quando voltar a Curitiba te pago uma cerveja pra diminuir um pouco minha dívida contigo.
Abraços

Henrique Miné disse...

posso dizer que "aprendi a ler" com a Agatha, havia uma biblioteca repleta de livros dela perto de casa, peguei um li todos daquela estaante, a maioria de "uma sentada só" também, mas nào copiava a lição de casa, simplesmente deixava de fazer.

Na verdade, é triste ver quão pouco eu venho lendo de uns tempos pra cá.


E viu, a campanha pelo jeito funcionou, voltei a comentar! x)

Abraço!

Marina disse...

Na época em que eu li o Caso dos Dez Negrinhos (que agora parece que mudou de nome, para evitar acusação de ser um título preconceituoso ¬¬'), eu devia ter menos de dez anos. Foi numas férias de verão, não tinha nenhum paradidático para ler e era uma espécie de pré-rato-de-biblioteca. Depois disso, devo ter lido uns trinta livros dela. Mas ainda acho o Caso dos Dez Negrinhos o melhor.

Sério que você nem tentou encontrar outro exemplar depois?

Ana disse...

Lendo o seu post eu lembrei da época em que eu passava férias na casa do meu pai e pegava os livros dele para ler. Agatha Christie entre eles. Outro dia ele me falou que vou herdar todos esses livros.
Agora, pregar a mesma peça no filho é golpe baixíssimo. hahaha

(Outro dia fui comentar o post "Ei, você!" e deu um super pau. A parte de comentários sumiu e não rolou. Ainda está desaparecida... =[)

Giovanna disse...

Pra mim é o melhor livro dela. Não vou contar quem é o assassino, mas te digo que todos morrem. É isso: três, dois, um e não sobra nenhum. Todos assassinados e um deles é o assassino. Achei aquilo tão genial!!!

gabi disse...

ahhauahah Acontece nas melhores famílias!

Me lembrou de uma época que eu lia conpulsivamente Clarlotte Brontë e ficava sem fazer nadinha de tarefas da escola pra ler :(

Magnum Opus disse...

Eu procurava nos sebos o restante do livro... mas engraçado mesmo é esse seu lado cafajeste que eu não conhecia hehehe

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

A mesma coisa aconteceu comigo, mas com um Arséne Lupin (Maurice Leblanc é muito melhor que a Aghata, só pra constar).

Nunca soube o maldito final do livro...

Varotto disse...

Não chora não. Toma aí o texto completo do "Caso dos dez afro-descendentinhos" - obrigado pelo alerta, Marina :-) - para você ler o final:

http://images.jmlsantos.multiply.multiplycontent.com/attachment/0/S7Fc0QooCs4AABermpc1/Agatha%20Christie%20%3D%20O%20caso%20dos%20dez%20negrinhos.pdf?nmid=326920110

J. Messias disse...

Boa essa sua sacada pra criar a curiosidade da leitura em quem nunca leu esse livro, ou algum outro da mestra.
Valeu.
Grande abraço.
P.S.: Por favor, não deixe de escrever por falta de coments, eu pretendo indicar seus textos aos estudantes com os quais trabalho. Persevere.

Renata E. disse...

Eu senti como se o post "Ei, você" fosse p mim! rsrsrs... Sou leitora do seu blog há algum tempo e nunca dx um comentário! E hj, n pude passar por aq e n comentar, ne?

Qt aos livros da infância, puxa, foram os melhores da minha vida! Sempre lembro com nostalgia das horas e horas d leitura, mergulhada nas histórias e desligada do mundo. Tempo bom, já que hj, parar p ler é quase um luxo!

Ah! Fiquei curiosa. E vc me fez ir buscar o "Caso dos dez negrinhos". rsrsrs... Volto aq p lhe contar o final.

Até mais!!

Ana Lu disse...

Hahaha, eu não acredito que vc n leu o final! Eu teria surtado, com certeza, e dado um jeito de arranjar o livro com final!
Eu não li esse livro ainda, mas pretendo! Da Agatha eu li Assassinato no expresso oriente. Estava de férias, e também li de uma sentada só.
MUITO bom, procure esse!
Beijoss

Luís disse...

Meu deus, eu nunca li. Aliás, nunca li nenhum dela. Estou completamente perdido aqui.

E claro que vai para minha lista de férias...

Nathalia disse...

eu já passei por um erro de impressão também. A Sangue Frio do Capote, faltava umas 20 paginas no meio do livro. Acabei assistindo o filme, mas ainda termino de ler o livro um dia.

Dani disse...

Hahaha, nunca achei que você pudesse ter tido uma fase cafajeste...
E por favor, não vá fazer maldade com seus filhinhos! rs

HUGO ANTONELI disse...

Nuss..
Imagina só..
Será que ficastes com raiva por ñ ter lido o finall:?

ex-amnésico disse...

Droga! Eu esqueci!!!

Why, shame on me!

:(