29.3.11

A um único leitor

Talvez você nem leia mais o meu blog, mas fica aqui caso um dia volte.
     Já faz uns dias que eu sei do que aconteceu. Também sei seu nome, esse que você assinou em baixo de uma crônica minha num concurso. E, embora você não me tenha feito o favor de arrumar aquele terceiro parágrafo –bem ruim–, vou lhe fazer um: a história fica sendo um segredo nosso.
     Admito que doeu um pouco porque é um texto querido meu, escrito num momento complicado há uns anos atrás. Por outro lado, penso que ele já cumpriu sua missão comigo –me libertou de algo que estava mal resolvido– e quem sabe agora tenha uma outra –meio torta, mas ainda assim uma missão– a cumprir no seu caminho.
     Pode continuar com ele. De onde tirei esse, posso tirar outros.
     Quem sabe um dia você note que não interessa o quanto as tenha achado bonitas, essa meia dúzia de frases nunca será sua. As palavras mais bonitas são sempre as que dizemos de nossos lábios. Você deve ter suas próprias, basta que procure.
     E se acontecer de a vida vir a te cobrar por essa atitude, peça a ela que me procure. Explicarei que já ficou tudo bem.
     Só espero, de coração, que um dia você entenda.

9 comentários:

Leonardo Xavier disse...

Eu acho que é maldade, roubar a autoria de alguém em um trabalho.

Marina disse...

Eu acho que é burrice mesmo. Pra dizer o mínimo.

Tyler Bazz disse...

Até quando sofre um puta plágio você é foda e uma pessoa melhor, superior.

Puta que pariu, Bruno.

J. Messias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Consertei a última frase pra você

"Só espero, de coração, que um dia você morra."

=)

Marina disse...

Ser foda é isso. Espero conseguir ser como você, um dia.

Denis disse...

Que vergonha... ou melhor, que falta de vergonha... eu ficaria muito envergonhado comigo mesmo... Como diriam os camaradas estadounidenses: looser!

ex-amnésico disse...

Então o(a) camarada não entendeu nem o significado do selo da Creative Commons no seu blog, hein? Provavelmente não entenderia/á seu recado também.

Como disseram os colegas acima, o episódio acaba servindo para mostrar, de novo, de que barro você é feito.

Valioso.

Amanda disse...

Vim parar aqui sem querer e já estou assinando os feeds. Ótimo texto, realmente MUITO digno. Ninguém nunca me copiou - que eu saiba - e também não tenho essa moral toda para ser copiada né. Mas pelo visto você tem.
Acho que eu me sentiria orgulhosa, por que né? Alguém achou um texto meu tão bom a ponto de pegá-lo para si. Quer dizer.



Ótimo texto, novamente. Vou visitar seu blog mais vezes!


Beijos