11.4.07

Quinze anos

Puxava uma carroça cheia de papelão, mas, no mais, era uma menina como qualquer outra. Talvez pensassem que por ser pobre ela poderia ser diferente, mas não era nem um pouco: ela queria as mesmas coisas que todas as outras meninas queriam.
     Tinha vontade de ser estrela de televisão, modelo, bailarina ou professora. Vontade de alisar o cabelo e comprar uma roupa daquelas de vitrine de loja. Queria acabar o segundo grau e ganhar um anel de presente de formatura. Poderia nem ser de ouro, mas tinha de ser dourado.
     Também, como qualquer menina, tinha vergonha dos meninos. Tinha um lá no bairro que sempre a olhava de longe. Num domingo ela o viu jogando bola com os outros garotos e achou que ele era o melhor jogador do mundo. Ficou ali, quietinha, torcendo para ele fazer um gol, um gol só para ela.
     E hoje, bem hoje, a menina fazia quinze anos. Desde o ano passado sonhava com uma festa: via-se dançando com um príncipe, imaginava as amigas segurando arranjos de flores e uma mesa cheia de bolo e refrigerante. Sorria toda vez que imaginava o pai de terno e sapato, achava a idéia engraçada.
     Já de noite, a cidade —e as latas de lixo— começou a ficar vazia: hora de voltar para casa. Ela sabia que as bancas estariam fechadas, mas passou em frente ao mercado de flores, só porque era bonito. E de longe viu alguma coisa numa lata de lixo, uma coisa branca. Surpresa!, era um buquê de margaridas. Um pouco murchas, mas, mesmo assim, eram as mais lindas flores que ela jamais ganhara. Aliás, as únicas flores que ela jamais ganhara.
     Passou pela praça e viu que a catedral já estava enfeitada para o Natal. Ficava tão linda, tão brilhante com aquelas luzes todas. Um pipoqueiro ouvia música no radinho de pilha. Era uma música bonita, como as que o avô dela ouvia quando vivo. A menina ficou ali, escutando, e, já que ia sobrar mesmo, ganhou do pipoqueiro um pacotinho: pipoca doce, com coco.
     Foi quando chegou na praça o menino do futebol, aquele que ficava olhando de longe. Ele baixou os olhos, tímido, sorriu e disse um “oi” envergonhado. Comentou do tanto de papel que tinha conseguido no mês e disse que, olha só, ele ficou sabendo que hoje era aniversário, juntou um dinheirinho e comprou um presente. Tirou do bolso um pacotinho de papel vermelho e entregou à menina. Teve a impressão de que as mãos dela tremiam.
     A menina sorriu ao ver, dentro do pacotinho, um anel dourado. Agradeceu um tanto envergonhada e já logo o colocou no dedo. Deu certinho. O anel não caberia em outra mão que não a dela. Ela sorriu e mais balbuciou que falou um “obrigada”. O menino chutou umas pedrinhas do chão e comentou algo sobre a música, que ele achara tão bonita.
     E, enquanto os sinos da catedral soavam as horas, os dois dançaram ao som do radinho sob as luzes brilhantes. Margaridas, pipoca doce, música, sinos, um anel e um príncipe, o melhor jogador de futebol do mundo. E a menina soube, lá no fundo, que Deus existia e que Ele havia lhe dado uma festa de quinze anos.

20 comentários:

preto disse...

já estava esperando um final triste...geralmente essas suas histórias acabam assim
mas ficou legal

MA disse...

esta é uma das que eu mais gosto.... ralmente muioto bonita

Luana disse...

linda historia, e finalmente com um final 'feliz' né?

:****

Diva disse...

_____*_*_*_*_______*_*_*_*______
___*_________*___*_________*____
__*____________*_____________*__
__*____________*_____________*__
__*___________Bjos____________*__
___*__Bjos_____________Bjos___*__
____*_________Bjos__________*____
______*___________________*______
________*_____Bjos_______*_______
__________*__________*__________
_____________*____*_____________
_______________**_______________
_______________*________________
Belissimo...como sempre.
Bjs meus

Lari Nakao disse...

Que lindo!! Minha imaginação rolou solta que essa menina passou a existir no meu pensamento!
Beijos

Suelen disse...

Muito bom, parabéns pelo texto.

Menina Punk do Cérebro Verde disse...

Que lindo, pensei que iria acabar triste...
...muito lindo

Julio Camara disse...

Nossa,as vezes é bom vermos histórias tristes com finais felizes.Parabéns pelo texto!

*CLara* disse...

O conto da Cinderela moderna...

Gostei...

Beijinhos!

Utopia Urbana disse...

Tenho permissão pra publicar esse texto no meu blog? Devidamente creditado, óbvio.
Abraço.

Aline Ribeiro disse...

Antes tarde do que nunca! rs...
Tuas histórias são imperdíveis!
Bjm e bom fim de semana

*CLara* disse...

nhá... não morri não...heheh


voltei tbem pra passar a mão no cachorrinho.... amo de paixão...

ele é fofoooo.... rs

como é o nome dele?!

Jane Malaquias disse...

Ufa, obrigada por ser um deus tão generoso com seus personagens.

Luana disse...

agora vamos a uma nova historia
adoro os teus textos!

Késia Maximiano disse...

ameeeeeeeei o texto..
parabens..
bjossss

Isadora A. disse...

nossa, todo mundo acha que suas histórias têm final triste !?!

bom... pipoca, com COCO ?
podia ser com provolone...

:P

linda, como sempre, querido.

Alf. disse...

Pois é. É triste você sonhar e saber que o sonho que tinhas já não pode mais realiza-lo... Não mais...

abraço cara.

Bia Ferreira disse...

Sensibilidade.. há muito não via isso em textos de blogs... estou linkando teu blog ao meu.. lindos textos aqui.. li só os dessa página, depois devo voltar para ler seus arquivos (algo me diz que valerá muito a pena)..
xD

Juliana Marchioretto disse...

Ai, adorei!
Coisa mais fofa....

bjo

Eduardo disse...

A simplicidade da história enriqueceu o texto como nunca...
Obs.: Finais tristes tb são legais, não se pode omitir algumas coisas...
Parabéns ficou ótimo!