8.4.09

Camilinho, o degustador

A história do Camilinho começou como quase todas as histórias dos gênios da Humanidade: em casa, aos poucos, meio por acaso. O talento belo dia apareceu e então foi crescendo, aparecendo até que saiu pela porta da sala e ganhou o mundo.
     Só que o Camilinho não era músico, pintor, astrofísico, cientista maluco ou essas coisas que nos vem à cabeça quando se fala em "gênio". O talento dele morava na língua. E não a língua metafórica, a arte da retórica, essas coisas, não: era na língua mesmo, a língua propriamente dita. Camilinho reconhecia o gosto de qualquer coisa.
     Qualquer coisa. Qualquer. Qualquerzinha mesmo.
     Começou, como eu disse, em casa, aos poucos, com comida de casa, essas comidinhas do nosso dia-a-dia. A mãe punha a frigideira na mesa e ele:
     — Oba, coxão mole!
     Só aí já era coisa de se assombrar, um garoto de sete anos que sabia o que era patinho e o que era coxão mole, cheiro-verde ou manjericão. Mas o Camilinho foi mais longe, foi desenvolvendo o talento, e chegou nos requintes da coisa.
     — Esse peixe só andava comendo ração de segunda, coitado.
     — Mãe, eu já disse que não gosto desse sal do Rio Grande do Norte!
     — Que galeto nada! Isso aqui é galinha das sem-vergonha, criada em quintal na vila Osternack.
     — Ah, arroz parbolizado tipo B com sal e um toquezinho de alho e feijão carioquinha do, vejamos... norte do Paraná. Boa safra.
     — Hum, esse é um ótimo Nissin galinha caipira, preparado com água da torneira em panela de cobre, fogo brando. Cozimento no ponto, três minutos. Perfeito.
     Teve até a vez que ele desvendou um crime: o pai voltou da rua comendo um espetinho e o Camilinho descobriu que aquele contrafilé era, na verdade, o gato sumido da Cleusa. Daí para frente foi ganhar o mundo.
     Tornou-se jurado de concursos de culinária, deu palestras para chefs cozinheiros gourmands enófilos madames, virou convidado de tudo quanto é programa de tevê, ficou unha e carne com a Ana Maria Braga. E mais: prestou assessoria na criação de menus de vários bistrôs na França e teve que recusar as propostas de ir para a Bélgica degustar cervejas porque era menor de idade.
     A coisa toda ia muito bem até o dia, o fatídico dia, em que ele resolveu meter o nariz –e a língua– onde não fora chamado. Comendo um cachorro quente com os amigos na esquina –que, apesar de ter degustado as maiores iguarias do planeta, o Camilinho ainda gostava do bom o velho hot dog da dona Nadir–, nosso geniozinho teve uma iluminação súbita: decifrou a composição da salsicha.
     Da salsicha!
     Dias depois, o Camilinho desapareceu depois de uma pelada no campinho. Desespero no bairro, polícia, deu no Jornal Nacional, o Louro José fez um apelo ao vivo pedindo a libertação do amigo. Foi encontrado pela Interpol num frigorífico abandonado perto de Blumenau, dentro da câmara fria, em estado de choque. Nunca mais foi o mesmo, perdeu o gosto pela comida, desfez os contratos, passou a comer até o sal iodado do Rio Grande do Norte e a ser enganado nas churrascarias sem reclamar.
     A mãe não sabe que ameaças fizeram ao garoto, mas reparou que, desde que largou a vida de degustador, ele mantém uma certa distância de minhocas e entra em pânico quando vê uma senhora obesa de tranças e sotaque alemão.
     Coitado do Camilinho. Não se mexe assim fácil com os segredos da Humanidade.

9 comentários:

Cissa disse...

huahuahauhauaha

mas acho mesmo que se pudéssemos descobrir alguns dos segredos da humanidade, este seria o nosso fim.

Mariana disse...

Seu texto me lembra o livro "o PErfume" . Grenouille também era um gênio... mas do olfato...

Quem escreverá sobre o tato?

visão e audição estamos cheios nos super-heróis!!

Designer + Vigiado disse...

Olá, Webmaster,
Foi muito valioso para mim ter encontrado esse blog pois contém postagens de qualidade e essencias ao nosso meio.
Parabéns e continue investindo nele e oferecendo informações valiosas.
Abraços.
Designer + Vigiado
http://cidadevigiada.blogspot.com/

o amnésico disse...

A verdade está lá dentro... dos embutidos. Santo Fox Mulder!

o_O

Nelson disse...

"Salsichas são como leis (...)"

Ah, 'Vinas' também hehe

Tyler Bazz disse...

Um dos produtos que meu pai vende pra sustentar a família é justo a salsicha! E eu vivo dizendo, não quero nem sonhar como aquilo é feito.. senão não como! aUHAuhaUHAuha

o/

Stephanie disse...

às vezes a gente acha que a ignorância é uma benção

neste caso do Camilinho, então, nossa! com certeza - saber a composição da salsicha mudaria os hábitos alimentares de muita gente, hahaha

e o que me assusta nessa história é o fato de que nem sempre nossos talentos nos favorecem, aiai.

belo conto, Bruno, belo conto

beijo!

Magnum Opus disse...

Espero que ele nunca desvende os segredos dos rolinhos-primavera...

Ran Omelete disse...

Camilinho estava com a namorada atrás do muro quando de repente pára de beijá-la e disse, irritado:

- Você andou por aí com o João e... Meu Deus! Ele é impotente!

Desculpe pegar emprestado seu personagem, mas não resisti.