9.7.07

O diabo, política, essas coisas

Afobado, Deus pulou rápido em terra firme e jogou duas moedas ao barqueiro. No canil ao lado, um monstruoso cachorro de três cabeças ganiu, com o rabo entre as pernas. Uma comitiva de anjos corria atarantada para acompanhar Seus passos largos.
     Decidido, Ele passou pelo portão e foi direto ao prédio mais alto, de janelas espelhadas, bem no centro do lugar. Uma porta de vidro se abriu, automática, e Ele ignorou o balcão da recepção. Os seguranças nem ousaram detê-Lo. Tomou o elevador, desceu no último andar e empurrou as portas duplas do escritório do presidente, sem esperar que a secretária O anunciasse.
     Se Deus não fosse perfeito, teria inveja da sala em que entrara. Quando Ele criou a palavra "elegância" não imaginou que a coisa chegasse a esse nível. Tudo de muito bom gosto, de primeiríssima qualidade. A mesa, enorme, ficava em frente a uma janela ainda maior de onde se tinha visão panorâmica de todo o lugar. Uma cadeira de couro estava virada para lá, de costas para a porta, e por um segundo o Criador pensou que não tinha sido notado. Então, a cadeira virou-se lentamente em Sua direção. O anjo sentado de pernas cruzadas vestia um terno preto, italiano, caimento perfeito, debaixo de sete capas de linho finíssimo também pretas. A aparência era impecável: chifres polidos, cascos engraxados e cada fio do cavanhaque aparado com cuidado.
     — Lúcifer, precisamos conversar.
     As mãos finas do diabo seguravam um charuto e um copo de uísque. Ele soltou uma baforada e levantou o copo, as pedras tilintando:
     — Nossa, Senhor, é uma honra tê-Lo aqui. Bebe alguma coisa? Talvez um charuto?
     — Não, obrigado. Eu só vim tratar de negócios.
     — Mas sente-Se, fique à vontade. Vou aumentar o ar condicionado, que o Senhor parece com calor. Há quanto tempo, não é mesmo?
     — Desde que você caiu.
     — Uau, tempo mesmo... E como andam as coisas lá em cima?
     — Vamos levando, mas não é sobre isso que vim conversar.
     — Se for sobre o que fizeram com o Seu filho, eu...
     — Sejamos diretos: é o Brasil, Lúcifer.
     — Bem, Senhor, eu tenho aqui todas as liberações para a venda de prostitutas, e o tráfico de drogas, se não me engano, já está em vias de...
     — Não, não é isso. É sobre os políticos do Brasil.
     — Olha, Onipotente, eu pensei que tinha autorização para atuar na tentação pelas secretárias...
     — Até aí Eu permiti. Mas é que são os políticos, o mensalão, as ambulâncias, pseudo-martírios morais, essas coisas.
     — Não sei de nada, Todo-Poderoso.
     — Como não, Lúcifer? Eu te conheço, seu safado. Você vai acabar com o país em que eu tenho mais Ibope. Ainda com o resto, Eu dava um jeito, negócios são negócios, mas você jogou muito sujo nessa. O povo está desacreditando, o povo vai perder a fé!
     — Vou mandar e-mail para o Judas, o Nero e o Adolf, mas posso quase garantir que isso não é coisa da minha diretoria.
     — Ah, você e suas mentiras... Você vai me arruinar, Lúcifer! Diabos!
     — Não, Senhor. Não estou mentindo. Lá em Brasília que inventaram isso tudo, eu não tenho nada a ver.
     — Lúcifer...
     — Juro pelo Senhor! Foram só eles. Sozinhos!
     — Então isso tudo é safadeza deles? Olha, nessas horas que Eu me arrependo...
     — Pois é. E, veja bem, não é para puxar saco, não, mas eu também me escandalizei, Altíssimo. Pesado demais. Eu ainda fico só naqueles sete de sempre: um pecado da carne ali, uma invejinha aqui, raiva, orgulho, essas coisas. Mas isso eu acho sacanagem. A gente ainda mantém uma certa decência aqui no inferno, senão vira bagunça. Porque, se eu não me cuidar, logo, logo eles chegam aqui e eu estou lascado!

12 comentários:

Danie disse...

texto fodah
que chama a atenção
mtu bom
parabens pelo blog!

=*

Isadora A. disse...

eu não consigo pensar no coisa-ruim sendo qualquer coisa diferente do Pacino. não consigo, não consigo, é inevitável !

deve ser por isso que o pecado da luxúria é assim, entregue em mãos e pézinhos de cabra, ai ai...

é, é bom o dibao ficar esperto, que as eleições aqui, estão chegando !

GENIAL !

Helena Nunes disse...

Bruno, parabéns. Está fabulosa esta tua sátira.
Tenta publica-la num jornal.
Bjos

P.S- Não foste buscar o teu prémio.

Lorita disse...

Eita, té o demo se escandaliza com tanta pizza heim? é um festival de glutonaria horrendo!

Que nossa semana tenha pelo menos uma notíca feliz lá pelas bandas do Planalto.

Bjm

Adrian Masella disse...

É rapaz, quem disse que por ter sido expulso do paraíso o cara tem que viver mal. Terno de linho italiano eh o minimo!! E como disse a Isadora ai em cima melembra o Pacino!!!
Adorei o texto, nao tinha lido este ainda!


A situação ta feia mesmo!!
E com o perdão do clichê, a culpa é nossa!!! Depois de tudo o que aconteceu, a gente ainda colocar Lula, Maluf, Collor, Clodovil [??] e outros pra comandar esse pais!!
Não me admire que até o próprio Coisa-Ruim esteja escandalizado!!

Luana disse...

nunca mais tinha passado aqui, e toda vez que volto me surpreendo com o que você escreve!

Agora como eu estou de férias, posso me atualizar e ler teus post´s que eu tanto gosto ;~~~~~~~~


:**

Anônimo disse...

... Uau!!! ...

O texto é 1000!!!

Amei!!!

... Danizita ...

Bjão

alex pinheiro disse...

Olá, vi comentário seu a Felipe Dib e acabei por invadir o espaço, que me trouxe distante dejavu, mas tudo bem, cá estou pra dizer que você escreveu política do jeito que se faz necessário, sem termos desconhecidos ou jargões de jornal nacional... curti a beça o texto (inédito pra mim, rs),,, ironia é oque há!

Abraços e irônicas invenções!

MaxReinert disse...

rapaz... te via lá pela comunidade do orkut e não tinha visitado ainda... parabéns pelo blog... esse texto aqui tá muito engraçado... se não fosse trágico!!!!!!!
valew!!!!

Claudia Lis disse...

Hahaha...
Nossa Bruno, muito bom, muito bom!
Esse o meu pai tem que ler!

Com os brasileiros nem o diabo pode!
Imagina só se essa galera se para lá no inferno para tumultuar e tomar o lugar do diabão... Claro que ele não quer nada disso! Até no inferno a coisa é organizada! Que tristeza!

Amei o texto! E me espera, que ao longo da semana eu visito os demais. Não perco um capítulo disso aqui!

Beijos

Eduardo disse...

Que diálogo hein, muito boa mistura de comportamento humano com crenças e a política brasileira! Desculpe o palavreado, mas ficou do caralho!!!

seco disse...

É simplesmente direto, nada mais cruel do que nossa atual situação politica. Gostei, postei o texto em meu blog - com as devidas referências.